Voltar

Utilização da Selic como taxa de correção de dívidas civis

Por Laura Morganti

Em outubro de 2021, os Ministros da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (“STJ”) decidiram submeter à Corte Especial o julgamento do REsp 1.795.982, no qual se discute se a Taxa Selic deve servir como índice de correção dos valores de dívidas civis.

A utilização da Taxa Selic como índice de juros moratórios é uma discussão que surgiu logo quando da publicação do Código Civil, em 2002, quando este previu no artigo 406 que “Quando os juros moratórios não forem convencionados, ou o forem sem taxa estipulada, ou quando provierem de determinação da lei, serão fixados segundo a taxa que estiver em vigor para a mora do pagamento de impostos devidos à Fazenda Nacional”.

Desde então, a jurisprudência pacificou o entendimento de que os juros moratórios deveriam ser de 1% ao mês (12% ao ano), em razão do disposto no artigo 161, §1º, do Código Tributário Nacional (“Se a lei não dispuser de modo diverso, os juros de mora são calculados à taxa de um por cento ao mês”).

A pacificação do entendimento acerca da utilização da Taxa Selic como juros moratórios chegou recentemente ao STJ. Há quem defenda que a utilização da Taxa Selic seria mais justa, já que condão de influenciar todas as taxas de juros do país, como as taxas de empréstimos e de aplicações financeiras. Por outro lado, há Ministros que entendem que a Taxa Selic não atualizaria adequadamente os valores, já que o seu cálculo inclui simultaneamente juris moratórios e correção monetária; ao passo que esses consectários fluem a partir de momentos diferentes.

Hoje essa discussão está na Corte Especial, que é composta pelos 15 ministros mais antigos do STJ e é responsável por decidir recursos quando há interpretação divergente entre os órgãos especializados do Tribunal. Várias associações, inclusive o Conselho Federal da OAB e a Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), requereram o ingresso no Recurso Especial como amicus curiae, dada a relevância da matéria. Espera-se que essa questão seja analisada ainda neste ano pela Corte Especial do STJ.

É importante para as empresas acompanharem de perto essa discussão, já que, tanto no polo devedor quanto credor, as empresas podem ter suas dívidas civis afetadas. A depender do entendimento da Corte Especial do STJ, o que hoje é provisionado com juros de mora de 12% ao ano mais correção monetária pode ser que tenha que ser reanalisado para aplicar a Taxa Selic (que chegou à casa de 2 dígitos neste ano – 12,75%).

Laura Morganti é sócia da área de Direito Cível e Resolução de Conflitos da Innocenti Advogados

Destaques

Serviços

  • Cível e Resolução de Conflitos Saiba mais
    • Atuação estratégica em Tribunais Superiores
    • Bancário e Recuperação de Crédito
    • Contencioso, Arbitragem e Solução de Disputas
    • Contratos Comerciais
    • Direito Digital e Proteção de Dados
    • Distribuição e Franquia
    • Família e Sucessões
    • Imobiliário
    • Previdência Privada Complementar
    • Propriedade Intelectual
    • Relações de Consumo
    • Societário
  • Direito Administrativo Saiba mais
    • Ações e Execuções Coletivas
    • Compliance
    • Contratos Administrativos
    • Direito Regulatório
    • Fundos de Investimentos
    • Licitações
    • Precatórios
    • Servidor Público
    • Terceiro Setor
  • Direito Regulatório Saiba mais
    • Assessoria legislativa
    • Avaliação de risco regulatório
    • Defesa de interesse e defesa de impacto regulatório em aspectos técnicos setoriais
    • Due diligence
    • Pleitos de reequilíbrio econômico-financeiro ou de prorrogação de contratos firmados com entes públicos
  • Trabalhista, Sindical e Remuneração de Executivos Saiba mais
    • Auditoria Trabalhista
    • Compliance
    • Consultivo trabalhista
    • Consultoria de RH
    • Contencioso estratégico
    • Demandas Individuais e Coletivas
    • Desportivo
    • Ministérios Público do Trabalho
    • Negociação Sindical
    • Normas Regulamentadoras
    • Segurança e Medicina do Trabalho
  • Tributário Saiba mais
    • Autos de infração
    • Consultoria e Contencioso Tributário
    • Consultoria em Planejamento Tributário
    • Due Diligence em Operações de Fusões e Aquisições
    • Fiscalizações e Auditorias
    • Importação e Exportação
    • Planejamento Patrimonial e Sucessório
    • Previdenciário Empresarial
    • Regimes Especiais e Incentivos Fiscais
    • Revisão e Diagnóstico Fiscal
  • Sedes

    Brasília

    Endereço:
    SHS Qd .06, Cj. A, Bl. A,
    SL 204, Centro Empresarial Brasil 21, Asa Sul
    CEP 70316-102

    Telefones: 61 3039-8530
    E-mail geral: [email protected]

  • Sedes

    São Paulo

    Endereço:
    Alameda Santos, 74 – 10º andar
    CEP 01418-000 – São Paulo – SP
    Telefones: 11 3291-3355 • 11 3524-4400
    WhatsApp: 11 95540-7948
    E-mail: [email protected]

top